segunda-feira, 10 de maio de 2010

Downloads: D20 Modern (Traduzido)


Buenas vermes!

Hoje o titio traz para vocês um livro denominado D20 Modern (ou D20 Moderno). O sistema (como a própria porra do nome diz) é o D20. Com este livro vocês poderão dar uma folga em suas campanhas clássicas em masmorras com elfos, orcs e etc e se aventurar em campanhas modernas. Confiram só...

... O D20 Modern foi publicado pela Wizards em meados de 2002 para atrair jogadores interessados em campanhas contemporâneas. Neste livro vocês não irão encontrar Guerreiros, nem Magos, nem Bárbaros etc, e sim personagens denominados Forte, Ágil, Carismático, Robusto, Esperto e Dedicado. Apesar das classes possuírem denominações, elas são bem flexíveis.

Infelizmente há poucas informações acerca da tradução. A única informação que obtive é que a tradução foi realizada por um cabra chamado RSW (???).

Ao meu ver, este é um ótimo material para quem deseja ambientar as suas campanhas em uma época diferente (ou seja contemporânea, ou talvez em um futuro não muito distante). As regras são boas tanto para criar personagens estereotipados (o Nerd Hacker, o Motociclista Brigão, a Piranha Sedutora, etc) quanto personagens versáteis.

O livro está bem bonito visualmente e bem compacto. Acredito que essa versão que estou postando seja um FastPlay, pois tem apenas 99 páginas, enquanto a versão original possui quase 400 (!!!!), mas dá para jogar tranquilamente.

Bom galera, este é um dos sistemas que pensei em utilizar em minha campanha moderna a lá Resident Evil, então espero que gostem da bagaça.

Abaixo o link de download.

4shared

D20 Modern (Traduzido)

Nos vemos no próximo post macacada!

20 comentários:

  1. Boa!

    Apesar de eu preferir Gurps para campanhas na era moderna, esta é uma boa opção, principalmente porque o sistema D20 é bem conhecido.

    Deveria ter sido o Windows do RPG. DEVERIA, se a própria Wizards não cagasse no pau lançando a 4ª edição, desfazendo a promessa que eles mesmos fizeram de "você nunca mais terá de aprender outro sistema de regras".

    ResponderExcluir
  2. O ruim do gurps é que para espirrar tem que rolar um dado, hehe...
    Neste D20 modern, armas de fogo matam, ou precisa de 237 tiros para derrubar alguem de lvl 10?

    ResponderExcluir
  3. "O ruim do gurps é que para espirrar tem que rolar um dado, hehe..."

    A poucos dias eu estava conversando exatamente sobre isso com o Trapaceiro e essa é a maoir besteira que existe.

    Quem conhece Gurps sabe que existem pouquíssimas regras neste sistema, o que acontece é que no livro básico existem diversos EXEMPLOS de como usar essas poucas regras.

    A única regra realmente válida é a do bom senso, exatamente como no caso do guerreiro de AD&D que pode levar uma chuva de meteoros dormidno que se tiver PVs suficientes vai acordar bocejando e nada mais.

    Infelizmente, em pleno século XXI ainda rola esse preconceito com um dos melhores sistemas d regras já criados para RPGs.

    ResponderExcluir
  4. Hahaha! Eu me perguntei a mesma coisa sobre as armas de fogo, até dei tentei dar uma lida por cima do livro para ver se achava algo assim, mas resolvi postar logo a bagaça!

    ResponderExcluir
  5. Um lança foguetes causa 10d6 de dano! Oo'

    Não li todas as regras desse livro, mas se partirmos do princípio de que um Robusto de 10° nível tem 10d10 em dados de vida, se o combate funcionar igual em D&D ele sobrevive sim!

    ResponderExcluir
  6. Hahhahaha Oráculo! Ri litros com o teu comentário!

    Porra, até aí a Wizards me falha com as regras!

    ResponderExcluir
  7. Como eu disse eu não li o livro inteiro para julgar, apenas olhei de relance.

    Mas, qualquer narrador com um pingo de bom senso sabe que independente do sistema um lança foguetes causa um estrago do caralho!

    Ainda assim, dá pra usar uma abordagem à moda dos filmes Testosterona Total dos anos 80 com o Schwarzenegger, onde o sujeito se esquivava com um salto espetacular e só saia um pouco machucado.

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Eu tenho esse aí. É o ideal para RPG "Blockbuster" contemporâneo. Em GURPs ou Storyteller o combate leva uma vida e você morre se o combate for para valer. Em D&D você desce o cacete...

    Só não curto o cara com a espada na capa do livro. Para que apelar se todo mundo já sabe que é D&D? Em vez de aproveitarem a oportunidade pra mostrar algo que apresentasse melhor as características dessa nova proposta...

    ResponderExcluir
  10. Não acho que os combates de Gurps sejam tão demorados assim.

    São apenas três rolagens de dados: ataque / defesa / dano, contra duas de D20: ataque / dano, sendo que este último deve ser rolada a iniciativa.

    O fato de os combates serm mortais também não deve necessariamente ser visto desta maneira, afinal em Gurps Supers não vemos os heróis morrendo com um tiro só.

    Em Storyteller as regras de combate são um porre, mesmo porque o jogo nunca foi voltado para o combate, visto que o foco de Vampiro é o horror pessoal e não a ação. Um único ataque pode ter até CINCO rolagens de dados: iniciativa / ataque / esquiva / dano / absorção. Por isso, muitos narradores usam as regras de Street Fighter, adaptadas para uso em crônicas de muita ação.

    Apesar disso, como eu sempre digo, o que dita o estilo do jogo é o narrador e não o sistema. A maior regra de toda ainda é a Regra de Ouro: Sempre que algum regulamento de algum livro estragar a interpretação e a diversão do jogo, simplesmente ignore-a e siga em frente.

    ResponderExcluir
  11. Eu concordo, me expressei mal em relação à demora de tempo.

    Mas você concorda que em GURPS se você se meter em tiroteio você vai morrer? Por que eu acho o D&D o oposto disso, feito para quem quer passar por combates hollywodianos e sair vitorioso no final.

    É claro que depende do mestre, mas em relação aos outros sistemas, o D&D é o que mais privilegia a ação. Quem quer jogar fantasia medieval realista vai jogar "GURPS LOW TEC"...

    E "GURPS Supers" é uma excessão mesmo, mas quem quer jogar um D&D moderno matando traficante no Rio vai querer interpretar um policial militar, mercenário ou parente de vítima do crime, e não um "super herói". A não ser que haja uma favela com vilões à moda MARVEL, criados a partir de projetos de pesquisa desenvolvidos em laboratórios secretos, debaixo dos morros, financiados pelos chefes do tráfico. Aí ia ser engraçado e até eu ia querer jogar. =]

    Mas o melhor desse livro é levar a possibilidade de uma campanha em um mundo contemporâneo para aqueles que só conhecem D&D.

    O livro de 400 páginas saiu? Ou eles desistiram na versão fast play?

    ResponderExcluir
  12. Olha exageram muito nos mitos em torno do GURPS, é um sistema mais realista parece ser complicado, mas só para quem não leu e nunca jogou, pq quem jogou sabe que as batalhas e as regras são simples na medida que o narrador quiser, pois todas as regras são maleáveis. Ao contrario do que falam GURPS é um ótimo sistema, mas boa parte da fluência de jogo depende de quanto realismo o narrador vai querer usar na crônica.

    ResponderExcluir
  13. Falou tudo, Joker!

    Lembrando que em Gurps apesar de os personagens não terem centenas de PV como em D&D, ainda assim eles demoram bastante pra morrer sim!

    De acordo com as regras oficiais, um personagem com HT 12 (um valor bem mediano), só tem morte automática com -60 PV. Qualquer quantidade acima disso dá uma chance (ainda que baixa de sobrevivência).

    É claro que Supers é um estilo onde a ação é bem mais absurda que um filme Testosterona Total, mas ainda assim dá pra rolar uma boa campanha nesse gênero, com combates, explosões, tiroteios e todo tipo de ação desenfreada dos filmes.

    O realismo deste sistema é modular, ou seja, você acrescenta ou remove o realismo como bem entender. É um dos poucos sistemas que eu conheço em que se dá pra fazer isso tranquilamente sem nenhuma modificação complexa.

    E por falar em tiroteios nas favelas do Rio de Janeiro, hoje quando estava manobrando o Oraculomovel pra guardá-lo na garagem que eu alugo, o Caveirão (carro blindado da polícia) estava subindo a rua disparando tiros. Como eu NÃO TENHO os pontos de vida de um personagem do Sistema D20 eu larguei a porra do carro e entrei na primeira casa que vi!

    ResponderExcluir
  14. Imagina jogar um Tropa de elite live ai no Rio AHUAHIUAHUHAUIHAUIAH.....TENSO!!

    ResponderExcluir
  15. Hehe, eu até gosto de GURPS, mas temos que admitir que a fama que ele criou para si próprio não é muito boa, e que é legal pacas falar mal, kkkk.

    Caveirão? Tiros? Tá na hora de aumentar um pouco a constituição Nobre Oráculo...Os testes de reflexos aparentemente estão bons, hehe...

    ResponderExcluir
  16. e de iniciativa tbm...

    mas uma coisa que me deixa "fulo" da vida... é que a maioria dos mestres descrevem a perda de pvs do personagem como ataques (sejam espadadas, tiros, flechas, bolas de fogo) como algo que realmente acertou o corpo deste mesmo. E nunca pensam que pode ser apenas um bloqueio com a arma, ou escudo... ou mesmo uma "diminuição" da moral vendo aquela lámina passar a centímetros do teu pescoço...

    ai todo mundo fica com esse conceito que o guerreiro de D&D continua lutando firme e faceiro com trocentas flechas cravadas em seu peito e tal...

    [:D]

    FLW-MALK!!!

    ResponderExcluir
  17. Eu costumo tentar dar certo grau de realismo às narrações de combate, sempre na intenção de mostrar que ele NÃO é uma coisa desejável.

    Em D&D, geralmente eu uso coisas como a armadura que o personagem está usando, ou um ataque que pegou "de raspão" no personagem, deixando os danos "reais" para os momentos em que os pontos de vida estão no fim (geralmente com uns desmembramentos porque eu sou um tanto sanguinário).

    Já o conceito de Gurps, em muito foi culpa da Dragão Brasil, que expressava uma idéia errada sobre o jogo. Curiosamente esse era um dos sistemas favoritos do Cassaro, seus textos de ficção científica foram em muito baseados em Gurps Space.

    ResponderExcluir
  18. será que não vai ter d20 modern nos moldes de D&D4E?
    rsrsrs

    ResponderExcluir
  19. Eita, nem sabia que alguém tinha traduzido isso. A regra do d20 Moderno que mais gostei foi a dos Incantation, mas acho que só saiu num suplemento chamado Urban Arcana.

    Basicamente com essa regra QUALQUER UM podia lançar feitiços, não precisava ser um mago, desde que tivesse os pré-requisitos. Uma dona de casa podia achar o Necronomicon debaixo da cama do filho e conjurar o grande Cthu... Chuthu... o dragão-polvo do Lovecraft desde que passasse no teste pro ritual (20 no dado é 20 ué).

    ResponderExcluir
  20. Na boa, D20 Modern traduzido é o máximo! Mas o que falta é a tradução da ficha! Muitos não tem domínio do inglês e/ou são novatos, uma ficha traduzida seria perfeito!

    ResponderExcluir